22 set 2021

Conhecendo Buenos Aires – Parte 2

Quando se trata de ir a Buenos Aires, é muito importante saber quais locais são pontos imperdíveis, como lidar com o dinheiro e como se locomover.

PONTOS IMPERDÍVEIS


La Recoleta: Conhecido por ser o bairro mais chique de Buenos Aires, La Recoleta é visita imprescindível para quem quer conhecer a cidade de verdade. Bares, restaurantes e lojas se misturam em um cenário cheio de verde e avenidas largas.

El Caminito de La Boca: Apesar de estar em uma região mais afastada e menos abastada da cidade, El Caminito apresenta um conjunto de restaurantes e lojas típicas portenhas, com atrações de dança e música em plena rua. É também o bairro do maior time de futebol argentino: Boca Juniors.
Obelisco: Localizado na principal avenida de Buenos Aires, a 9 de Julho, todo turista deve tirar ao menos uma foto no Obelisco.

Calle Florida:  Esta rua de comércio popular muito se assemelha a 25 de Março, em São Paulo. É um lugar perfeito para as compras de roupas, eletrônicos ou ainda lembrancinhas. Há ainda centros comerciais que mesclam lojas de grifes e do povo.

Puerto Madero: Região do Porto de Buenos Aires que foi revitalizada e hoje conta com mais de 40 restaurantes, além de contar com parques e áreas verdes belíssimas. Recomenda-se ir ao entardecer para presenciar um pôr-do-sol inesquecível.

San Telmo: Fica a caminho do bairro da Boca e conta com uma das maiores feiras de artesanatos do País. Uma miscelânea de culturas se encontra no lugar e você encontra coisas bem baratas e tradicionais argentinas.

Casa Rosada: Também chamada como Casa del Gobierno, a Casa Rosada é a morada dos presidentes argentinos e representa o poder maior do poder executivo da república, além de ser um dos pontos principais para protestos por parte da população.
Los Bosques de Palermo: Palermo é um dos bairros mais ricos da cidade e seus bosques são conhecidos como os pulmões portenhos. Além deles, vale uma visita ao Jardim Botânico, ao Jardim Zoológico e ao Aquário Municipal.
TRANSPORTE E DINHEIRO

O melhor modo para se conhecer os locais da cidade é a pé. Porém, se bater um cansaço, pegar um táxi não é muito caro por lá, mas mais barato ainda são os metrôs (ou subtes) e os ônibus (chegam a custar pouco aproximadamente 1 real), apesar que o trânsito um tanto quanto louco assusta.
A propósito falando de dinheiro, você turista tem que ficar esperto. Em Buenos Aires, a maioria das lojas aceitam e, até preferem, real e dólar em detrimento do peso argentino. E melhor do que trocar no Brasil é deixar para usar os reais ou dólares nas próprias lojas (algumas chegam a pagar 4 pesos por real e 10 pesos por dólar, quando o valor oficial pago pelo governo – em dezembro de 2013 – é 2,50 pesos por real e 5,60 pesos por dólar).
Se você ficar sem pesos, o melhor a fazer é trocar na rua, o chamado câmbio paralelo. A Calle Florida é o local preferido dos cambistas.
BATE-PAPO RÁPIDO
A professora de inglês da FISK-Praia Grande, Mariana, que também fez o curso de espanhol da FISK, decidiu passar suas férias em Buenos Aires e vai  nos dar sua opinião sobre a viagem.
1) Valeu a pena? Valeu muito a pena.
2) O que mais te encantou na cidade? A arquitetura. Porque é difícil encontrar uma cidade, hoje em dia, com tantos pontos históricos preservados.
3) Gostaria de voltar? Sim.
4) O curso de espanhol da FISK te ajudou? Sim, ajudou.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.